O que fazemos
Belo Horizonte/MG
Salvador/BA
Juazeiro/BA
Sto Amaro-São Paulo/SP
Centro Vocacional Oblata
Acompanhamento Vocacional
Depoimentos
Divulgação
Países
Sobre Padre Serra
Abertura do Bicentenário
No Brasil
Artigos
Pesquisas
VII Encontro -2009
VIII Encontro - 2010
IX Encontro - 2011
Tráfico de Pesssoas
Encontro da Rede
Unidades Oblatas
Capítulo Provincial
Seminário
Comunicação
Encontro da Rede Oblata
Projetos Mundo
Projetos Brasil
Diga NÃO à violência contra Mulher
Capacitação
Outros
Comunidades
Comemorações
Cirandas Parceiras
Projetos Oblatas
Compartilhai
Jornal da Rede Pastoral Oblata
Pastoral da Mulher de Belo Horizonte - MG
Pastoral da Mulher de Juazeiro - BA
Economia Solidária
Tráfico de Seres Humanos
Prostituição
Violência Contra a Mulher
Jornal da Rede
Comunidade
Celebrações
Cursos
Oficinas
Sensibilização
Igreja do Brasil
Cidadania
Direitos Humanos
Gênero
Projetos Pastorais
Cultura
Igualdade

“Quero que vejam nelas a imagem do Redentor”, assim Madre Antonia ensinava a olhar para a mulher em situação de prostituição. Mas qual será a relação da mulher que se prostitui com o Sagrado? Para responder a essa pergunta, Irmã Marilda prefere primeiro conceituar o significado de Sagrado: “É a presença de Deus em nós. Nosso corpo é Santuário onde se manifesta a Sua luz “. Neste contexto, a Irmã esclarece que é impossível falar em corpos em situação de prostituição sem considerar a força maior que os sustenta, mantendo viva a chama do desejo de libertação. “Estes corpos são templos do Sagrado, santuários às vezes violados, violentados, esquecidos, usados, mas continuam sendo a morada divina. É Deus quem escolhe onde quer habitar e não exclui ninguém deste processo, apesar de nossas reflexões racionais e carregadas de preconceito”, completa.

As experiências vivenciadas a cada dia nos diferentes Projetos mantidos pela Congregação têm demonstrado que a relação dessas mulheres com o Transcendente além de ser profunda, alimenta o sonho de uma vida diferente, apesar de manifestarem-se em práticas religiosas baseadas na espiritualidade caseira e devoção popular. “Eu rezo o terço pelo menos três vezes por semana”, relata uma delas e outra conta que ir a missa todos os domingos lhe dá forças para enfrentar tudo o que terá que passar durante a semana em sua vida de prostituição.

“Estes relatos nos surpreendem. Muitas vezes a gente vai para a missão como aquelas que pretendem levar algo e saímos de lá como aquelas que receberam algo, porque no fundo é uma troca”, diz Irmã Marilda. É o Sagrado que se aproxima e faz morada nos corpos dessas mulheres para restaurar, conferindo força e possibilitando a elas encontrarem resignação face às mazelas que a vida prostituída lhes oferece. No centro do coração de Deus, o que prevalece é a vida, principalmente quando aquelas mulheres estão machucadas, feridas, destruídas, enfim, reduzidas a nada por uma sociedade moralista que se vê no direito de julgar e estabelecer qual o lugar que estes corpos devem ocupar na sociedade.

Na presença constante de Deus, os corpos em situação de prostituição sentem a acolhida, a compaixão, a gratuidade, a ternura, a misericórdia, a escuta, a alegria e o verdadeiro amor. São corpos marginalizados, mas corpos sagrados e mesmo que estejam quebrados, são constantemente restaurados pela dignidade Divina. “Deus não tem um rosto único, Ele se apresenta na diversidade dos rostos de tantas mulheres, Ele dança nestes corpos através da luta cotidiana e se manifesta nestes mesmos corpos, criando e cuidando deles. A relação que as mulheres têm com o Sagrado é uma relação de quem de fato reconhece neste Ser Transcendente o mais profundo de si mesmas e que não as abandona jamais. Encontra-se ao lado delas, confirmando sua identidade de pessoa criada e amada por Ele, conferindo-lhes a dignidade que elas jamais perderam” explica a Irmã.

Para as Irmãs Oblatas, a ferida social causada pelo fenômeno da prostituição está longe de ser sanada. As mulheres vítimas desta realidade são na verdade guerreiras, lutadoras, que insistem em sobreviver, mesmo que a sociedade queira moralmente culpá-las pelos problemas familiares, sociais e econômicos, jamais trazendo para a discussão os homens que as buscam para satisfazer os próprios prazeres. Mesmo assim, a Congregação acredita na libertação de cada um desses corpos usados e manipulados na prostituição.

Colaborou
Ângela Genova Sanches
jornalista

 


setembro 2017
 DSTQQSS
S     12
S3456789
S10111213141516
S17181920212223
S24252627282930









 

Busca:
 

Na sua opinião, por que as mulheres estão curtindo sexo anal?

 
 

 


Home . Apresentação . Histórico . Mística . Missão . Cadastre-se . Localização . Links . Trabalhe Conosco . Contato
Copyright 2006 – Instituto das Irmãs Oblatas do SSmo Redentor - Todos os Direitos Reservados
fale conosco: info@oblatas.org.br Tel: 11 2673-9069